Missão Missão

Promover o conhecimento, a criatividade e a inovação, criando condições de igualdade no acesso às tecnologias digitais. A Casa do Conhecimento tem como objetivo primordial a inclusão digital das populações na Sociedade da Informação e o reforço das suas competências e qualificações, num espaço de criatividade e inovação para o desenvolvimento e experimentação de tecnologia.

Eixos de programação Eixos de programação

Tecnologias Inclusivas

A Casa do Conhecimento permite o acesso às tecnologias da informação no contexto da Sociedade da Informação numa lógica inclusiva, disponibilizando um conjunto de serviços que possibilitam o acesso a tecnologias aplicadas em contextos do quotidiano, contribuindo desta forma para fomentar a inclusão digital e social.

Tecnologias Educativas

O Município de Vila Verde pertence à Associação Internacional das Cidades Educadoras, uma iniciativa que vai ao encontro de um conceito de educação amplo e plural, que abarca contextos de educação formal e não-formal. Neste sentido, a Casa do Conhecimento representa um contributo relevante para a implementação de uma cidade educadora ao constituir-se como uma infraestrutura urbana de cariz tecnológico para a conectividade digital, disponibilizando um centro de recursos partilhado para a comunidade escolar, na área das tecnologias educativas.

Tecnologias Criativas

A Casa do Conhecimento é um espaço aberto às tecnologias criativas, que na sua amplitude, permitem desenvolver processos de aprendizagem e criatividade, passando por etapas de experimentação, exploração e reflexão.

Notícias Notícias

Voltar

Casa do Conhecimento de Vila Verde - Exibição MobiCurtas 7ª Edição

Decorreu de forma magnífica a 7ª Edição do MobiCurtas, na tarde de 13 de março, na Casa do Conhecimento de Vila Verde.

 Um auditório repleto de alunos e professores dos diferentes agrupamentos de escolas e escolas do concelho constituíram a excelente plateia para uma exibição de 30 minutos, de 27 conteúdos multimédia, produzidos por 60 alunos, ao longo de 5 meses, nas respetivas escolas. A preparação para estas “produções” aconteceu com a realização de um conjunto de workshops, com a designação Movimento Estático em que se pretendeu atingir dois objetivos, sendo um deles dar a conhecer a técnica de alta velocidade - em que as imagens visualizadas surgem de forma muito lenta, de ser produzida com tecnologia sofisticada e da possibilidade de se utilizar o slow motion para obter um efeito visualmente semelhante – e o outro, evidenciar que um filme tem na sua origem a fotografia - uma imagem capturada que torna estático um momento. Assim, Movimento Estático, tem implícita na sua designação o “movimento” característico de um filme e o “estático”, característico da fixação da imagem pela fotografia.

Após a exibição, seis curtas foram premiadas em dois escalões distintos, um para os alunos do 3º ciclo e dos cursos de formação T2 e T3 e outro para os alunos do ensino secundário e profissional. A seleção das três melhores curtas-metragens de cada escalão coube a um júri composto por três elementos, constituído por Adelino Silva, Luís Martins e Pedro Alves, entusiastas de pequenas narrativas e amantes de fotografia.

Para o escalão 3º ciclo a escolha recaiu em “Vamos Salvar os Oceanos” para 1º lugar, “A vida em Movimento” para 2º lugar e “Bullying na adolescência“ para 3º lugar. Para o escalão ensino secundário e profissional o 1ºlugar foi atribuído a “ A Distância“, o 2º lugar a “O Pedido“e o 3º lugar a “The Light in the Darkness“.

Estavam, também, a concurso os seguintes conteúdos multimédia: “Desflorestação”, “Sucessão Secundária”, “Transferência de Energia”, “A importância da energia do Sol nos ecossistemas”, “Atitudes e valores”, “Pombal Tunes”, “Os Soldados da Paz”, “Uma parte de Vila Verde – Os Lenços de Namorados”, “A vida na natureza”, “Desporto em movimento” “Observando as plantas no inverno”, “Acasos”, “Ansiosas por começar tristes por acabar”, “Bolinhas”, Equilíbrio Instável”, “Gadanhas”, “Movicolor”, “O Balão de Água”, “Rotinas”, “Vida de Estudante” e todos os seus “produtores” que foram distinguidos com certificados de participação.

Caberá, ainda, ao júri a seleção de um conjunto de fotografias extraídas das próprias curtas-metragens, para posterior exposição a decorrer em Braga, na Videoteca do Parque da Ponte, muito em breve.

A sessão de encerramento ficou a cargo da Vereadora da Educação, Cultura e Ação Social, Drª Júlia Fernandes que começou por agradecer a presença de todos, felicitando os “jovens produtores” e seus professores pela participação e empenho, assim como pela qualidade e pertinência das temáticas abordadas. Referiu que as curtas-metragens foram avaliadas por um júri, cuja decisão é soberana e segundo os seus critérios atribuiu as suas classificações, sendo no entanto, na sua opinião todos vencedores pela participação. Expressou que é com muito interesse que ao longo de vários anos acompanha o MobiCurtas, que já vai na sua 7ª edição, fruto do empenho da Casa do Conhecimento e da Rede de Clubes Casa do Conhecimento.

Casa do conhecimento de Vila Verde,

14 de março de 2019

 

 

 

 

 


Espaços Espaços

Teatro Virtual 

Auditório multimédia dotado de um sistema de projeção estereoscópica (3D).

Sala das Tecnologias Criativas

Área de exposição destinada às tecnologias criativas, onde poderão estar, em modalidade temporária, módulos de robótica, eletrónica, realidade aumentada, impressão 3D.

Exposição Interativa Área de exposição onde se pode interagir com módulos interativos.

Sala Imersiva

Espaço constituído por um sistema audiovisual, proporcionando um ambiente imersivo.
Salas de Formação/Polivalente 
Duas salas versáteis, equipadas com sistemas de projeção multimédia e quadros interativos para formação, de instalação de laboratórios temáticos, exposições, workshops.