Missão Missão

Promover o conhecimento, a criatividade e a inovação, criando condições de igualdade no acesso às tecnologias digitais. A Casa do Conhecimento tem como objetivo primordial a inclusão digital das populações na Sociedade da Informação e o reforço das suas competências e qualificações, num espaço de criatividade e inovação para o desenvolvimento e experimentação de tecnologia.

Eixos de programação Eixos de programação

Tecnologias Inclusivas

A Casa do Conhecimento permite o acesso às tecnologias da informação no contexto da Sociedade da Informação numa lógica inclusiva, disponibilizando um conjunto de serviços que possibilitam o acesso a tecnologias aplicadas em contextos do quotidiano, contribuindo desta forma para fomentar a inclusão digital e social.

Tecnologias Educativas

O Município de Vila Verde pertence à Associação Internacional das Cidades Educadoras, uma iniciativa que vai ao encontro de um conceito de educação amplo e plural, que abarca contextos de educação formal e não-formal. Neste sentido, a Casa do Conhecimento representa um contributo relevante para a implementação de uma cidade educadora ao constituir-se como uma infraestrutura urbana de cariz tecnológico para a conectividade digital, disponibilizando um centro de recursos partilhado para a comunidade escolar, na área das tecnologias educativas.

Tecnologias Criativas

A Casa do Conhecimento é um espaço aberto às tecnologias criativas, que na sua amplitude, permitem desenvolver processos de aprendizagem e criatividade, passando por etapas de experimentação, exploração e reflexão.

Notícias Notícias

Voltar

Casa do Conhecimento assinala Dia Internacional da Mulher com o evento Tecnologias no Feminino

 Tecnologias no Feminino foi o evento do Município de Vila Verde, promovido pela Casa do Conhecimento, no dia 8 de março, para comemorar o Dia Internacional da Mulher. Neste contexto procurou destacar-se mulheres de sucesso na sociedade atual, nomeadamente na área das tecnologias.

A manhã foi propícia a reflexões sobre questões de igualdade de género, um princípio fundamental da Constituição da República Portuguesa, sobre a presença das mulheres no mercado de trabalho, nomeadamente nas funções, cargos e setores em que desempenham a sua atividade profissional.

O evento contou com a participação de Mariana Silva, aluna do curso de Engenharia Informática e Computação, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, com a comunicação Mundo da Informática no Feminino. Sempre em tom desafiante, explicou que suas escolhas e os seus interesses, se centraram na área da tecnologia dado o seu forte impacto na sociedade, pretendendo ela dar o seu contributo para uma sociedade que está em permanente evolução. Procurou sensibilizar todas as jovens a definirem o seu percurso profissional na área das tecnologias, se essa fosse efetivamente a sua vontade. Considera o medo um fator impeditivo de fazer boas escolhas e entende que o “sucesso acontece quando se sai da zona de conforto”. Acrescentou, que a “tecnologia é para para quem a entende e não para quem é Homem ou Mulher”. A área da tecnologia teve e tem grandes contributos prestados por mulheres, mas esses são pouco referenciados e do conhecimento público, por isso há cada vez mais a necessidade de criar um espaço visível para as mulheres, para que o seu trabalho seja igualmente distinguido.

Profissão? Programadora! foi a apresentação da Drª Rita Maia e Silva, Programadora Informática.

Começou por mencionar que o seu interesse pela tecnologia surgiu logo na infância, dada a sua curiosidade e também por ter a tecnologia muito presente no seu ambiente familiar. Muitas das suas brincadeiras de infância aconteceram em torno do computador a utilizar vários programas, nomeadamente de escrita, que permitiam uma certa criatividade. As suas escolhas como estudante tiveram sempre a tecnologia no seu horizonte, e reforça dizendo que “percebi que o mundo da programação me fascinava e era mesmo aquilo que eu queria fazer!” A sua vida profissional desenvolve-se na área que escolheu e em que sempre acreditou. Realiza inúmeros projetos no âmbito da programação como aplicações interativas, de realidade aumentada, de realidade virtual, e jogos, entre outros. Acrescenta que “foi intimidante chegar à empresa e ter uma equipa predominantemente masculina, só com mais um elemento feminino. Mas a integração foi fantástica porque fui vista como mais um elemento que iria contribuir com o seu trabalho”. Terminou com palavras de incentivo, dizendo que “ser mulher não é impeditivo, não deve condicionar as nossas escolhas profissionais, o nosso sucesso é construído por nós, pelo que fazemos e não pelo nosso género!”

A presença da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género foi destaca com a comunicação, As Políticas Públicas na área Igualdade de Género, pela Drª Rosa Oliveira, representante da CIG, que começou por enunciar que “a sociedade é composta por pessoas com todas as suas diferenças, mas iguais na sua essência e nos seus direitos”. Contrapôs com alguns dados estatísticos que demonstram muita desigualdade em várias situações, como na diferença salarial entre homens e mulheres, no acesso limitado de mulheres a cargos de chefia, à violência excessiva a que muitas mulheres estão expostas, entre muitos exemplos. Salientou, que “há, apenas, profissões” e que estas não são específicas de nenhum género em particular, é necessário contrariar a tendência de que as mulheres têm mais orientação para determinadas áreas, como por exemplo a área social. Terminou referindo que “para que haja mudança é necessário um esforço de todos nós”.

À Vereadora da Educação Cultura e Ação social e Conselheira para a Igualdade no Município de Vila Verde, Drª Júlia Fernandes, coube a ponderação do exposto durante a manhã. Começou por agradecer a presença de todos e enaltecer a participação das oradoras deixando expresso que os seus contributos foram fundamentais para as questões de igualdade de género. Os testemunhos na primeira pessoa das duas jovens oradoras da área da tecnologia, foram na sua opinião um incentivo de destaque para as jovens do público. Prossegue dizendo “ temos de ter orgulho nas nossas vontades, no que queremos ser e fazer! As dificuldades surgem, mas o importante é a nossa vontade, seguir o que nos realiza e o que nos faz feliz!” Finalizou as considerações sobre a manhã, alertando para a necessidade de o caminho para a igualdade necessitar da colaboração e apoio de todos, que o fundamental é não desistir, pois a persistência é um grande contributo para a luta dos direitos da mulher.

 

Casa do Conhecimento de Vila Verde,

11 de março de 2019

 

 


Espaços Espaços

Teatro Virtual 

Auditório multimédia dotado de um sistema de projeção estereoscópica (3D).

Sala das Tecnologias Criativas

Área de exposição destinada às tecnologias criativas, onde poderão estar, em modalidade temporária, módulos de robótica, eletrónica, realidade aumentada, impressão 3D.

Exposição Interativa Área de exposição onde se pode interagir com módulos interativos.

Sala Imersiva

Espaço constituído por um sistema audiovisual, proporcionando um ambiente imersivo.
Salas de Formação/Polivalente 
Duas salas versáteis, equipadas com sistemas de projeção multimédia e quadros interativos para formação, de instalação de laboratórios temáticos, exposições, workshops.